A Máquina Quebrada

Eu sou uma máquina quebrada, difícil de ser consertada e desabilitada de funcionar corretamente

O fato de eu ser humano
Parece não ser notado por ninguém
Ou o fato de aqui haverem sentimentos

Sou invisível
Um ser não notado
E ainda assim igual
Mas parecem não perceber

E eu quebrei
Impossibilitado de demonstrar
O medo da parede do ódio
Temor do não, com tensão

Não sei quê acontece…
Meu display é de felicidade
Mesmo que eu não seja!

Quebrado!
O setor de relações sociais
Só processo pré-rejeição imaginária
E temo, temo, temo

Me afasto
E perco a capacidade da fala
Quebrado, repito repentinamente
Incapaz de crer que posso ser gostado

Meu egoísmo não evita que eu me sinta inferior #CoisaEstranha

Porquê eu amo tantas pessoas
E ninguém me ama?
E por quê eu nunca demonstro ser infeliz?
{[(Medo, tenho medo de nunca ter correspondência de alguém)]}
E eu tento mais e mais
O meu máximo
Mas ninguém chega em mim!
Ninguém pensa em mim!
Eu sou ninguém pra todo mundo
Não se fala sobre mim
Nem pra falar mal
Tem pessoas que eu considero tão importantes!
Provavelmente todo mundo que eu amo e gosto, eu amo e gosto de cada um mais do que eles me amam.
Meu erro é amar verdadeiramente?
Meu erro é ser amigo mesmo?
E quando me olhar
ver só um espaço vazio é normal?
Talvez eu devêsse crer no que parece ser o consenso geral:
eu sou assexuado…
Mesmo que eu queime por dentro!
Me ignoram sempre e eternamente
Eu sou um fantasma, mas estou vivo, droga!
Tanto tempo já passou. Tanta chuva. Tanta lama.
A bonança é só um mito?
Eu detesto estar quebrado e não conseguir ser uma pessoa legal
Mas eu não desisto, e isso é horrível
Minha máquina quebrada perdeu o freio
E vai batendo nas paredes
E eu evito? Não consigo. Não me controlo
E eu choro, Já chorei tanto!
O vazio aqui dentro cresce e me suga
Me ame
Ou me diga não, porra!
Mas não me deixa ficar divagando!
Há vagas para meu conserto!
Então poderei viver e me sentir vivo
Mas agora só me sinto triste.

Anúncios