Esquecer

Como esqueço um amor que não me quer
Cubro as pegadas deixadas no meu coração
E exalo o cheiro que meus sensos gravaram?
Tantos sonhos não vividos trancados
Quebrando minha vida a cada segundo que passa
Pedaços de mim que foram com você
Preciso me devolver a mim mesmo
Acatar as ordens da sobriedade
Exilar o amor de meu peito
Censurar as ordens do sentimento
Estou exasperado de esperar
Preciso parar de te lembrar
Mas como o amor é liberto?
Como eu esqueço que você é tudo?
Como faço com que alguma coisa além de você passe a existir pra mim?
Não quero, me pega em seus braços
Preciso ter força, apaga essa estrofe
Morrer, parece ser a única saída
Posso ensinar meu coração a usar o apagador?
O botão de deletar que devia existir
Onde, Deus, onde está?
Eu preciso do seu amor
Eu necessito, entretanto, não precisar
Se isso for possível
Eu preciso…
o que eu estava dizendo mesmo?

Faz-Me Aceitar o Que Não Posso Mudar E Ser Quem Devo Ser Enquanto Eu Escrevo e Peço Agora

Faz-me
que aceite o que é inviável mudar
aceitando que eu não posso desfazer/fazer/criar/mudar
Faz isso agora

Me ilumina
pra que eu viva mais em mim
e menos num depósito de esperança no futuro

Arranca!!!
essa insegurança que é minha marca de nascença
faz de mim autosuficiente

Permite…-me
Aceitar tudo que passou
E tudo que eu deixei passar
E permite-me deixar passar o que ainda é necessário deixar passar

Ajuda eu a esquecer
Ajuda esse ser de reconsideração a não pensar
Não me importar com o tempo passando

Acaba com o tempo
que tic-taqueia na minha mente
dizendo que juventude é uma água que corre abaixo e seca
faz eu pensar coisas melhores

Me faz me mudar
Ser meu próprio repositório
Parar de desesperada e exageradamente lutar em vão para simplesmente viver
viver… viver… viver

Aceitar o mundo como é, faz
aceitar a vida, a minha vida, como ela é
esperar sem gritar por dentro

Me obsequiosamente ajuda
a parar de focar no futuro
estar no presente
(que é um presente, afinal)
sentir e não só ver como a vida é milagrosamente maravilhosa

Extirpa
Esse sangue coagulado de não-realização que é a crosta de meu ser
Me deixa parar de sentir mágoa
Faz a injustiça sair de minha linha de raciocínio

Me faz ser eu
Só assim eu poderei (realmente) viver

Bons Tempos

amor sexo
Eu te amo
Isso não tem mais o direito de ser verdade
Menos ainda uma verdade tão intensa
Que me fez chorar uma vida inteira
Não faz sentido o emaranhado
Tentar organizar só machuca
Passado louco de doces e trevas
Bons tempos e terrível final
Você me despertou
Pra quê?
Tinha que me colocar na fogueira!
Tinha que apagar qualquer coisa de bom que pudesse haver!
Mas eu te amo
Desgraça insana
Queria poder contar o passado
Que ele tivesse um valor
Que eu pudesse me acalmar
Que ter tido fosse o suficiente
Mas não, eu quero ter no presente
O que eu quero não importa pra você
Então me pergunto por que você me querer me é tão importante
E é uma pergunta retórica
Eu te amo como ninguém deveria ser amado
Minha lógica me diz que você deveria me amar
Mas todo o resto só faz me sufocar
Você se foi
Eu não deveria sofrer por isso
Mas só sei pensar em onde está você
Se está feliz… pois eu não
Se está triste… pois meu amor é vingativo
Me tornei a pessoa que nunca quis ser
Desejando mal ao que não posso ter
Se eu ao menos pudesse tirar isso daqui
Apareça
Eu te perdoei
E eu não me perdôo por isso
Mas eu ignoro esse sentimento
Me dê um pedacinho de você de novo
Estou me humilhando
Por que não espero mais grande coisa
Eu só espero que não negar nem um pouco meus sentimentos me leve a algum lugar
Eu não me canso de te amar
E eu me canso mas não paro de sofrer
Amor não-correspondido
Qual a lógica divina de algo assim?
Só consigo pensar nos nossos momentos juntos
São memórias tão felizes, mesmo que no momento não fossem
Só penso em retomar isso
Mas passados não voltam
Parece
que
pra mim
só existem
Maus tempos. Continuar lendo